Cozinha em Revista #02: Malta Beef Club, verdadeira celebração dos prazeres da carne

Quando pensamos em carnes no Rio de Janeiro podemos lembrar de vários lugares, a começar pelas casas especializadas no assunto, como Esplanada Grill, CT Boucherie, Rubaiyat Rio, Pobre Juan, Royal Grill, Giuseppe Grill, Majórica, Filé de Ouro, para ficar só nas mais conhecidas e recomendáveis, e as churrascarias rodízio, como Palace,  Moccelin, Carretão, e Assador Rio’s.  Também podemos pensar em restaurantes  e bares famosos por seus cortes, onde as carnes são muito bem tratadas, como Churrasquetto, Zinho’s Bier, Vamo, Bazzar, Luce e vou parando por aqui, porque se tem uma coisa que brasileiro faz bem é carne. Não faltam boas referências no assunto.

Há um lugar, porém, que não tem equivalente quando o assunto é carne: Malta Beef Club é o nome deste templo carnívoro, onde veganos sequer devem passar pela porta. Tem até vitrine de carne, uma câmara de maturação onde vemos vários cortes que passam pelo processo: prime rib (R$ 300, 1,2 kg) e porter house (R$ 250, 800 g).  Até a coquetelaria, amigo, é encharcada de carne: o Bloody Malta (R$ 29) é picante e untuoso, feito com gim infusionado com pimenta, coentro, folhas de louro, suco de tomate temperado e fatias de bacon. Uma loucura, o melhor bloody mary do Rio, na opinião deste que vos escreve, carnívoro e suinófilo assumido.

Quem batiza o lugar é um dos sócios, Marcelo Malta, referência no assunto, famoso fornecedor de carnes e pescados para os melhores restaurantes da cidade, e churrasqueiro muito solicitado por celebridades globais para mostrar seu talento na grelha. Além de seu primo, Sérgio Malta, a casa tem um terceiro sócio, o arquiteto André Piva, que fez o belo projeto do lugar, com varanda, bar, adega, lojinha de carnes e cozinha aberta para o salão. No térreo, uma mesa grande pode ser compartilhada pelos clientes. Aliás, o pai de Piva produz vinhos no Sul, e eles são e melhor pedida na casa, além dos drinques e cervejas.

O Porter House é um dos cortes mais recomendados – Foto de Bruno Agostini

No cardápio o que encontramos, claro, é um culto à carne. São pelo menos nove cortes diferentes da raça angus (Aberdeen Angus uruguaio ) preparados para serem compartilhados (servem de duas a quatro pessoas). Há clássicos das churrasqueiras brasileiras, como picanha, fraldinha e maminha, além da costela de dianteiro, o famoso costelão, que é servido daquele jeito, com os ossos se soltando da carne (foto de abertura deste post, de divulgação: de Tomas Rangel). Mas também há, por supuesto, aquelas carnes hermanas que aprendemos a amar nos últimos tempos, como bife ancho, bife de chorizo e asado de tira, bem como, of course,  “some english and american cuts”, como prime rib, porter house e Denver Steak.

Para acompanhar, aquilo mesmo o que esperamos: farofas, batatas e arrozes. Há fritas crocantes (R$ 28) e uma farofa amanteigada de bacon (R$ 28), feita com farinha amarela grossa, de Cruzeiro do Sul, no Acre, que eu vou te contar. Arroz maluco? Tem. E molhos? Tem béarnaise também. Chimichurri também tem. Campanha, poivre, aioli, barbecue? Claro que sim.

 

O pastrami e o Bllody Malta, ao fundo, servido com bacon – Foto de Bruno Agostini

O Malta Beef Club é uma verdadeira celebração dos prazeres carnais, do início ao final. Para a entrada, o pastrami da casa é obrigatório. E, num lugar como esse, não poderia mesmo faltar um o steak tartare (R$ 45 com fritas ou salada) ou uma boa linguiça toscana (R$37 servida com farofa na manteiga e molho à campanha). Na lista encontramos, ainda, pastel de costela (R$ 26, com 160g de costela desfiada servida com geleia de pimenta). Sanduíches também festejam a carne, como o Malta Burger (R$40), blend da casa servido com cheddar, molho barbacue, picles de pepino e cebola frita no pão brioche; e o platense choripán (R$ 35), de linguiça na baguete com molho chimichurri). O melhor sanduíche de frango frito “american way” do Rio (R$ 38), provavelmente do Brasil, também encontramos ali, bem como uma respeitável  montagem na baguete, de rosbife com rúcula, mostarda, grana padano e picles de pepino (R$ 35).

Ou, ainda, que tal uma linda milanesa de patinho de wagyu, servida com tonkatsu de maçã verde (R$ 25)? Torresmo crocante de barriga (R$ 25)? Também tem.

Sugiro, para a sobremesa, que eles passem a servir o famoso pudim abade de priscos, aquele doce português, feito com toucinho de porco, só para termos carne até na confeitaria. Porque o Malta Beef Club é isso, um clube que reúne adoradores convictos da carne.

E pensar que tudo começou em uma portinha, na Rua Dias Ferreira, onde era servido um menu enxuto, baseado em carnes. Na verdade, o Sabor D.O.C. nasceu como fornecedora de ingredientes, e caiu nas graças dos chefs de cozinha, ao ter talvez a melhor oferta de carnes e pescados do Rio.

SERVIÇO
Malta Beef Club: Rua Saturnino de Brito 84, Jardim Botânico. Tel. 3269-4504. maltabeefclub.com

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s